Mundo da História

Começa aqui uma longa e divertida viagem pelo mundo da História. A história que cada um de nós construímos cotidianamente. A História Oficial e todas as micro e macro Histórias que aprendemos e vivenciamos ao longo de nossas vidas.

12 de maio de 2009

Revoltas Nativistas

A crise do capitalismo comercial português e os interesses ingleses não são suficientes para explicar o desmoronamento do sistema colonial. As contradições internas da colonização foram os fatores determinantes.

Não se pode negar que a colonização, mesmo tendo caráter francamente explorador, promoveu o crescimento do Brasil-Colônia, durante os dois séculos em que predominou. As elites dominantes locais, apesar de divergências momentâneas, beneficiavam-se com a própria dominação que sofriam.

As primeiras rebeliões não se manifestaram com a idéia de conseguir a independência do Brasil. Essas manifestações, chamadas rebeliões nativistas, a princípio apenas contestavam os aspectos específicos do pacto colonial, não a dominação integral da Metrópole. Além disso, tinham um caráter regionalista, não se preocupando com a unidade nacional.

Ocorreram entre 1641 e 1720 e foram, na prática, esforços de defesa contra certos aspectos da exploração colonial. Daí à idéia de autonomia completa em relação as Portugal foi um longo processo.
Somente um século depois, quando a exploração da Colônia se agravou, e a situação internacional se tornou propícia, é que as rebeliões adquiriram caráter de libertação nacional. Os objetivos deixaram de ser restritos, exigindo-se a extinção do pacto colonial e a autonomia política.

Longe de representarem uma espécie de “sentimento nacional”, as rebeliões nativistas tomaram destaque a partir dos fins do século XVII. Entre os principais levantes destacamos a Revolta de Beckman (1684, Maranhão); a Guerra dos Emboabas (1708-1709, Minas Gerais); a Guerra dos Mascates (1710 – 1711, Pernambuco); e a Revolta de Filipe dos Santos (1720, Vila Rica, Minas Gerais).

Guerra dos Emboabas

Na primeira década do século XVIII, os relatos da presença de grandes reservas auríferas na região de Minas Gerais se espalharam rapidamente pelo Brasil e Portugal, ocasionando um grande movimento em direção a essa região. Várias pessoas deixaram suas próprias terras para se aventurarem na busca pelas riquezas da região, no entanto, essa exploração não era tão fácil, visto que já havia um grande número de pessoas interessadas.

Além da região de Minas Gerais já pertencer a São Paulo, foram os paulistas que descobriram as reservas de ouro. Por isso, estes passaram a defender a exclusividade na exploração do ouro. Os estrangeiros, principalmente baianos e portugueses, representavam uma ameaça à exploração dos paulistas, desencadeando vários conflitos armados na zona aurífera.

Devido ao fato dos estrangeiros usarem botas, estes foram apelidados pejorativamente por emboabas (do tupi, aves pernaltas). Os emboabas nomearam o riquíssimo português Manuel Nunes Viana como líder, e os paulistas, o ex-bandeirante Manuel de Borba Gato.

Inicialmente os paulistas sofreram várias derrotas e foram obrigados a abandonar muitas minas. Em represália, organizaram um ataque mais forte, com uma tropa de mais ou menos 1 300 homens, porém não chegaram a Minas Gerais. Tudo isso favoreceu os emboabas, fazendo com que os paulistas perdessem várias minas, obrigando-os a procurarem novas reservas de ouro.

Após a Guerra dos Emboabas, a região passou a ser controlada diretamente pela metrópole. Assim, foram estabelecidas normas que passaram a regulamentar a repartição de lavras entre paulistas e estrangeiros, além da cobrança do quinto, um imposto sobre todas as riquezas geradas pelo ouro.

Por Tiago Dantas

Revolta de Filipe dos Santos

A dinâmica de exploração da colonização portuguesa no Brasil assumiu diferentes formas e intensidades ao logo da trajetória do Brasil Colônia. A definição das atividades mineradoras como principal atividade econômica do século XVII deu margem para um sistema de tributação e práticas fiscalizantes nunca outrora observadas em nossa história colonial.

A região de Minas Gerais, na qualidade de maior centro desse tipo de exploração econômica, também foi o local propício para diversos episódios de indignação e revolta contra o controle massivo das autoridades metropolitanas. A própria Guerra dos Emboabas, deflagrada no início das atividades mineradoras, prenunciava que o interesse econômico português seria responsável pela inconformidade de alguns integrantes da sociedade colonial.

Observando a ameaça de seus lucros com o contrabando e a livre exploração dos minérios, Portugal resolveu implementar uma série de tributações a serem aplicadas sob a região das Minas Gerais. Em 1719, ainda buscando garantir uma ampla margem de lucro, os portugueses instituíram as chamadas Casas de Fundição, que funcionariam como centros de cobrança e controle sobre as riquezas extraídas do solo.

Paralelamente à tributação dos minérios, a formação de diversos centros urbanos trouxe outra notável fonte de renda à metrópole. Graças às amarras econômicas estabelecidas pelo pacto colonial, os colonos ainda eram obrigados a pagar os altos valores cobrados sob os gêneros manufaturados oferecidos por Portugal. Mediante essa lógica de exploração e controle é que compreendemos a deflagração da Revolta de Filipe dos Santos, em 1720.

A hostilidade e a desconfiança instaladas na região das minas faziam com que qualquer suspeita de contrabando ou sonegação acionassem a rígida ação das tropas metropolitanas. Durante um desses episódios de averiguação das forças metropolitanas, um grupo de mineiros resolveu atacar a casa do ouvidor-mor, principal autoridade judicial da região. Logo em seguida, dirigiram-se para Vila do Carmo a fim de pressionar o governador da região, o Conde de Assumar.

O grupo, liderado pelo tropeiro Filipe dos Santos, reivindicava o fechamento das casas de fundição. Prometendo atender a demanda do grupo, o levante retornou à Vila Rica à espera das ações do governador. No entanto, isso serviu para que as tropas portuguesas se organizassem contra os revoltosos. No dia 14 de julho iniciou-se o conflito que prendeu vários participantes e condenou Filipe dos Santos à morte e ao esquartejamento.

Revolta de Beckman

Com a saída dos holandeses do Brasil e a crise da economia açucareira, a região Nordeste tornou-se lugar de recorrentes crises de abastecimento e estagnação econômica. Ao final do século XVII, esses problemas fizeram do Maranhão uma das regiões mais carentes de todo o nordeste brasileiro. Tentando intervir na economia local, Portugal, em 1682 , decidiu criar a Companhia Geral do Comércio do Estado do Maranhão.

Essa companhia deveria desempenhar duas obrigações essenciais: comprar os gêneros agrícolas da região, vender produtos manufaturados e suprir as elites coloniais com um carregamento anual de quinhentos escravos. Essa última medida serviria para que os conflitos entre os fazendeiros e jesuítas, em torno do uso de índios como escravos, chegassem ao seu fim. Dessa forma, o monopólio comercial lusitano seria uma medida que ampliaria os lucros da metrópole, ao mesmo tempo em que encerraria as dificuldades dos colonizadores.

No entanto, ao longo do tempo, a ineficácia financeira e administrativa lusitana em nada melhorou a situação. Os fazendeiros não recebiam os lotes de escravos do governo e desgastavam-se em conflitos contra os jesuítas que impediam a escravização dos índios. Além disso, a companhia não adquiria toda produção agrícola e negociava manufaturados de má qualidade e com altos preços. Dessa forma, a população maranhense tinha seus problemas de ordem econômica agravados mediante sua dependência em relação à Coroa.

Em 24 de fevereiro de 1684, aproveitando da ausência do governador, um grupo de manifestantes promoveu um grande rebuliço em São Luís. Os revoltosos prenderam o governador interino, invadiram os colégios jesuítas e saquearam os galpões da Companhia de Comércio. Liderados pelos irmãos Manuel e Tomás Beckman, a revolta exigia a melhora das relações entre Maranhão e Portugal. Ao longo de quase um ano, Manuel Beckman, também conhecido como Bequimão, controlou uma junta revolucionária que tomou o poder político da província.

Nesse meio tempo, Tomás Beckman dirigiu-se a Portugal para reafirmar lealdade às autoridades lusitanas e denunciar as infrações cometidas pela Companhia de Comércio. Impassível a uma possível negociação, Portugal respondeu o levante com a nomeação de um novo governador para o Maranhão e o envio de tropas que deveriam aniquilar o movimento. Ao chegar ao Maranhão, as tropas deram fim ao levante e os irmãos Beckman foram condenados ao enforcamento. Em 1685, com a confirmação das denúncias, a Companhia foi extinta pela Coroa.

Guerra dos Mascates

A partir de 1654, a expulsão definitiva dos holandeses de Pernambuco provocou uma grande mudança no cenário econômico daquela região. Os grandes produtores de açúcar que anteriormente usufruíram dos investimentos holandeses, agora viviam uma crise decorrente da baixa do açúcar no mercado internacional e a concorrência do açúcar produzido nas Antilhas. Contudo, esses senhores de engenho ainda possuíam o controle do cenário político local por meio do poder exercido na câmara municipal de Olinda.

Em contrapartida, Recife - região vizinha e politicamente subordinada à Olinda - era considerado o principal pólo de desenvolvimento econômico de Pernambuco. O comércio da cidade trazia grandes lucros aos portugueses, que controlavam a atividade comercial da região. Essa posição favorável tinha como motivação as diversas melhorias empreendidas na cidade com a colonização holandesa, que havia transformado a cidade em seu principal centro administrativo.

Com o passar do tempo, a divergência da situação política e econômica entre os fazendeiros de Olinda e os comerciantes portugueses de Recife criou uma tensão local. Inicialmente, os senhores de engenho de Olinda, vivendo sérias dificuldades para investirem no negócio açucareiro, pediram vários empréstimos aos comerciantes portugueses de Recife. Contudo, a partir da deflagração da crise açucareira, muitos dos senhores de engenho acabaram não tendo condições de honrar seus compromissos.

Nessa mesma época, a complicada situação econômica de Olinda somava-se ao completo sucateamento da cidade, que sofreu com as guerras que expulsaram os holandeses. Com isso, a câmara de Olinda decidiu aumentar os impostos de toda a região, incluindo Recife, para que fosse possível recuperar o centro administrativo pernambucano. Inconformados, os comerciantes portugueses, pejorativamente chamados de “mascates”, buscaram se livrar da dominação política olindense.

Para tanto, os comerciantes de Recife conseguiram elevar o seu povoado à categoria de vila, tendo dessa maneira o direito a formar uma câmara municipal autônoma. A medida deixou os latifundiários de Olinda bastante apreensivos, pois temiam que dessa forma os comerciantes portugueses tivessem meios para exigir o pagamento imediato das dívidas que tinham a receber. Dessa forma, a definição das fronteiras dos dois municípios serviu como estopim para o conflito.

A guerra teve início em 1710, com a vitória dos olindenses que conseguiram invadir e controlar a nova cidade pernambucana. Logo em seguida, os recifenses conseguiram retomar o controle de sua cidade em uma reação militar apoiada por autoridades políticas de outras capitanias. O prolongamento da guerra só foi interrompido no momento em que a Coroa Portuguesa indicou, em 1711, a nomeação de um novo governante que teria como principal missão estabelecer um ponto final ao conflito.

O escolhido para essa tarefa foi Félix José de Mendonça, que apoiou os mascates portugueses e estipulou a prisão de todos os latifundiários olindenses envolvidos com a guerra. Além disso, visando evitar futuros conflitos, o novo governador de Pernambuco decidiu transferir semestralmente a administração para cada uma das cidades. Dessa maneira, não haveria razões para que uma cidade fosse politicamente favorecida por Félix José.

Por Rainer Sousa

Textos retirados do site da web http://www.brasilescola.com/historiab

criado por Karoline    17:10 — Arquivado em: Aulas

84 Comentários »

  1. Comentário por Ednilze — 7 de outubro de 2009 @ 17:27

    achei isso uma porcaria não encontrei nada do que estava procurando

  2. Comentário por ana claudia prreira oliveira — 11 de novembro de 2009 @ 7:01

    adoro historia

  3. Comentário por anonimo — 12 de novembro de 2009 @ 19:16

    cala a boca ednilze

  4. Comentário por Anna Carolina — 19 de novembro de 2009 @ 14:19

    obrigada pelo site achei algo muito interesante :) um sorriso para voces

  5. Comentário por hozanna — 23 de março de 2010 @ 13:34

    adorei isso eh muito interesante….bom eh p poder tirar notas boas na prova….adoreiiii

  6. Comentário por carla thalita — 30 de março de 2010 @ 16:29

    Oiii adoro vcs beijão para todoss………….

  7. Comentário por Anônimo — 18 de abril de 2010 @ 20:33

    muito interessante..gostei

  8. Comentário por Vespaziano — 10 de junho de 2010 @ 14:01

    Muito bom, um conteúdo de qualidade e bem objetivo.

  9. Comentário por Ana Paula — 20 de junho de 2010 @ 11:34

    Muito legal….. explica de forma bem interessante e não tediosa
    obrigada!!!!

  10. Comentário por anonimo — 21 de agosto de 2010 @ 12:37

    mto shouw, me ajudou no trabalho de história…

  11. Comentário por Juh — 21 de agosto de 2010 @ 18:54

    Adorei o site e consegui terminar meu questionário de história,tirar minhad dúvidas e estudar para as provas.Muito obrigada.Se vcs tiverem outros sites assim,interessantes,me falem.
    Bjo

  12. Comentário por Anônimo — 21 de setembro de 2010 @ 18:08

    isso é uma chatise

  13. Comentário por Lucas — 24 de setembro de 2010 @ 18:15

    Muito obrigado essa pesquisa me ajudou bastante, mas faltam alguns detalhes. Abraço!

  14. Comentário por gabriel — 11 de outubro de 2010 @ 9:31

    Tudo o que tem ai eu ja sabia quero nome e curiosidades de mais revoltas nativistas.
    Você prescisa de melhorar porque historia não é legal.

  15. Comentário por anonimo — 11 de outubro de 2010 @ 9:34

    Achei esse site legal encontrei o que procurava mas falta detalhes e revoltas.

  16. Comentário por anonimo — 13 de outubro de 2010 @ 10:11

    kkkkkkkkkkkkkk lixao

  17. Comentário por Guilherme — 20 de outubro de 2010 @ 12:25

    Muito bacana! Quem quiser mais detalhes, aconselho a leitura dos capítulos referentes a isso nos livros “História Geral do Brasil” (Org. Yedda Linhares) e “História Concisa do Brasil” (escrito por Boris Fausto).

  18. Comentário por Juao — 4 de novembro de 2010 @ 19:14

    esta tal de Ednilze num sabe de nada sua bruxxaa

  19. Comentário por V.M — 1 de dezembro de 2010 @ 11:07

    cala bocas fdp

  20. Comentário por marcelo e tiago — 18 de fevereiro de 2011 @ 9:02

    troxa

  21. Comentário por Dilke de La Roque Pinho — 16 de maio de 2011 @ 14:56

    Muito legal para os troxas ! Seus bando de fdp, seus bucetildes! vão daaaaaaaar _|_

  22. Comentário por Adegesto Pataca — 16 de maio de 2011 @ 14:59

    adorei , sou muito gayzinho, amei essa linda história de amor!
    comentariio do amigo de Dilke , beijo delícia!

  23. Comentário por Francisco Italo — 18 de agosto de 2011 @ 17:29

    Bom.

  24. Comentário por Dayana Nóbrega — 22 de agosto de 2011 @ 13:42

    gostei, muito bom

  25. Comentário por Amanda — 30 de agosto de 2011 @ 17:51

    kkkkkkkk
    mto maneiro!!

  26. Comentário por Carlos Iuri — 12 de setembro de 2011 @ 11:42

    Muito Bom Me Ajudou Muito

  27. Comentário por lorraine da graça — 14 de setembro de 2011 @ 13:37

    gostei muito,me ajudou bastante

  28. Comentário por Anônimo — 20 de setembro de 2011 @ 16:34

    51d5s4 1gw1 w,51g4w5re4164ds 10WERT0 AWERERTE

  29. Comentário por Gabriely :) — 22 de setembro de 2011 @ 17:30

    Olá, Muito obrigada pela ajuda … Adorei este site Bjs e obrigada de nova … :)

  30. Comentário por Giulia — 29 de setembro de 2011 @ 14:44

    Obrigada pela a ajuda para o meu trabalho de história

  31. Comentário por Ângela Oliveira — 27 de outubro de 2011 @ 8:45

    O conteúdo aqui apresentado foi de grande utilidade para complementar os meus conhecimentos e elaborar o meu trabalho de história. Obrigada! ;)

  32. Comentário por Marcus — 20 de novembro de 2011 @ 7:38

    Olha, MUITO obrigado por colocar as revoltas no Site.

    Eu tenho um T.D de História para fazer e estava faltando a questão das revoltas.

    Com esse site, consegui respondê-la. Valeu ! Nota 10 ^-^

  33. Comentário por Fernanda — 26 de novembro de 2011 @ 10:43

    Obrigada pela iniciativa e ajuda. Muito bom o material.

  34. Comentário por vinicus — 8 de dezembro de 2011 @ 18:59

    adorei
    deu pra fazer um trabalho e tanto
    mas como é muito grande ,eu tive que resumir
    muito obrigado
    bjoess

  35. Comentário por MArcos Adriano — 9 de dezembro de 2011 @ 8:31

    VÃO SE FUDER, HISTÓRIA É UMA MERDA, VÃO TUDO TOMA NU CÚ, ESSA MINHA PROFESSORA CADELA, VÃO TUDO I FUDE

  36. Comentário por anonimo — 9 de dezembro de 2011 @ 8:34

    é uma merda estudar história, a sora que va se fude essa pré historica VEIA

  37. Comentário por gabriel, léo masera — 9 de dezembro de 2011 @ 8:36

    sora iara puta , vai te fude veia

  38. Comentário por anonimo — 9 de dezembro de 2011 @ 8:37

    essa véia parece ter mais de 1 milhão de anos volta pra pré história o mumia.

  39. Comentário por gsbryelle — 9 de dezembro de 2011 @ 13:28

    achei muitissimo interesante esta site ele me ajudou bastante no que eu prescisava

  40. Comentário por arielson — 14 de dezembro de 2011 @ 13:22

    e muito legal eu com sigir achar o q eu queria

  41. Comentário por feeh — 14 de dezembro de 2011 @ 16:36

    Legal, parabens.

  42. Comentário por ana — 25 de fevereiro de 2012 @ 16:08

    vcs que ficam falando mau do site vão todos tomar no cu, bando gentinha leza que não tem o que fazer, bando de burros que não sabem nem escrever muito menos digitar!!!

  43. Comentário por misael — 21 de março de 2012 @ 11:32

    legal o saiti pórque esplica muitas coisa
    e e bom pra nois aprende

  44. Comentário por carlos — 21 de março de 2012 @ 11:46

    q bosta de site

  45. Comentário por johnny — 22 de março de 2012 @ 1:13

    gostei muito desse siti ta bem esplicado
    burre de quem nao endendeo

  46. Comentário por matias — 16 de abril de 2012 @ 16:04

    oioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioioi

  47. Comentário por matias — 16 de abril de 2012 @ 19:01

    PELO AMOR DE DEUS QUEM NÃO ACHA ISSO INTEDIANTE E BURRO VÉI.

  48. Comentário por gabrielol — 18 de abril de 2012 @ 8:52

    Faltam algumas revoltas neste site. A revolta da cachaça, Aclamação de Armador Bueno, Conjuração Baiana entre outras. Fora isso é tudo bem bacana.

  49. Comentário por Estudante — 19 de abril de 2012 @ 15:28

    Muito Foda! , Perfeitos Textos …. Muito Obrigado Pela Ajuda !

  50. Comentário por Laryssa Felismina — 9 de maio de 2012 @ 20:28

    Estão de parabéns , as pessoas que fizeram esses textos . Me ajudaram muito .
    Obrigada !

  51. Comentário por Luiza Alves — 15 de maio de 2012 @ 14:48

    Muito bom esse post. Muito bem escrito e explicado. Parabéns

  52. Comentário por Sávio Aurélio — 4 de junho de 2012 @ 21:15

    Faz uma síntese objetiva e clara.

  53. Comentário por marcilâne — 11 de junho de 2012 @ 19:12

    nossa adorei

  54. Comentário por adann — 26 de junho de 2012 @ 11:52

    muito obrigado..
    encontrei tudo o que precisava, gostei muito do site.

  55. Comentário por brunoJF — 2 de julho de 2012 @ 21:09

    ruim de mais so achei nada

  56. Comentário por brunoJF — 2 de julho de 2012 @ 21:12

    site para nbs podiam completa isso so so 4 ou 3 revoltas aaaaaaaaa tomar no banho

  57. Comentário por josue — 8 de julho de 2012 @ 22:34

    muito legal essa aula de historia

  58. Comentário por adê — 21 de julho de 2012 @ 15:53

    alta algumas coisas porém é bom

  59. Comentário por Matheus — 2 de agosto de 2012 @ 20:40

    Mto melhor q a explicação do meu professor!! Vlw!!

  60. Comentário por anonimo — 23 de agosto de 2012 @ 15:57

    amei esse texto vc é uma otima escritora

  61. Comentário por anonimo — 23 de agosto de 2012 @ 15:59

    amei esse texto

  62. Comentário por Balotelli — 25 de agosto de 2012 @ 19:03

    ENCONTRE A SMILE TRISTE:
    :):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):):(:):):):):):):):):):):):):):):):):)

  63. Comentário por dd — 5 de setembro de 2012 @ 15:49

    ddg

  64. Comentário por ERICA CANDIDO RODRIGUES — 19 de setembro de 2012 @ 16:10

    ADOREI… ME AJUDOU MUITO
    E ESPEROQUE CONTINUE ME AJUDANDO COMO SEMPRE.

  65. Comentário por Andressa — 9 de outubro de 2012 @ 22:21

    Muito bom resumo, me ajudou bastante! Obrigada! =)

  66. Comentário por Leticia — 29 de outubro de 2012 @ 13:16

    eu achei isso uma porcaria , nao prestou pra nada.VTNC

  67. Comentário por leticia — 29 de outubro de 2012 @ 13:33

    isso e uma desgraça para meus olhos VTNC!!!

  68. Comentário por Karriiina — 29 de outubro de 2012 @ 13:37

    PUta que pariuu JUliaa senta lá Clauidia

  69. Comentário por gabriela — 29 de outubro de 2012 @ 13:39

    VTNC

  70. Comentário por Geovanna — 5 de novembro de 2012 @ 13:37

    Ameii,ajuda muiito na historia .

  71. Comentário por Lucas — 6 de novembro de 2012 @ 16:58

    Muito bom,muito bom ..

  72. Comentário por Lara — 9 de novembro de 2012 @ 12:23

    Adorei a forma como foi abordado o conteúdo , parabéns e obrigado por suprir minha necessidade ! *-

  73. Comentário por ludi — 29 de novembro de 2012 @ 9:22

    legalll

  74. Comentário por sabrina — 6 de dezembro de 2012 @ 19:23

    amei,minha professora pediu para eu pesquisar esse conteúdo e encontrei tudo que necessitava!MUITO OBRIGADO…………..!

  75. Comentário por Josefilda — 7 de dezembro de 2012 @ 14:57

    Esse site é uma merda tudo errado quem fize prova apartir disso ta ferrado Bjs Josefilda

  76. Comentário por Josefilda — 7 de dezembro de 2012 @ 14:57

    MERDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

  77. Comentário por Carlinha — 7 de dezembro de 2012 @ 16:11

    Concordo site de merda

  78. Comentário por Marcos — 4 de março de 2013 @ 18:07

    gostei do artigo, mostra toda a informação necessária

  79. Comentário por angelo — 17 de março de 2013 @ 9:18

    Muito bom mesmo!!!!!!!!!!!!!!!!!

  80. Comentário por angelo — 17 de março de 2013 @ 9:18

    Quem Gostouuuu Fala eu!!!!!!!!

  81. Comentário por angelo — 24 de março de 2013 @ 13:19

    O texto e bom mas tem algumas coisas ruim Sou Policia Federal 15404694 codigo d

  82. Comentário por luciano — 1 de abril de 2013 @ 11:42

    eeeeeuuuuu

  83. Comentário por pedro — 21 de agosto de 2013 @ 19:50

    n e o k procuro :(

  84. Comentário por ERICKS VELOSO BATISTA — 24 de setembro de 2013 @ 16:07

    CARALHOOOOOOOO
    [

Deixe um comentário

Report abuse Close
Am I a spambot? yes definately
http://mundodahistoria.blog.terra.com.br
 
 
 
Thank you Close

Sua denúncia foi enviada.

Em breve estaremos processando seu chamado para tomar as providências necessárias. Esperamos que continue aproveitando o servio e siga participando do Terra Blog.